TUDO ESPREMIDO: Por detrás do negócio do sumo de laranja

A produção e venda de alimentos gera biliões de euros em todo o mundo. No entanto, as corporações multinacionais raramente assumem responsabilidade pelas condições ao longo das suas cadeias de abastecimento e pelo impacte ambiental da sua produção. O estudo TUDO ESPREMIDO (no original Squezze Out) faz um retrato transparente da totalidade da cadeia de abastecimento europeia do sumo de laranja, desde o cultivo das laranjas até ao marketing do sumo. O resultado de pesquisas conduzidas no Brasil e na Europa veio lançar luz sobre algo que os retalhistas de alimentos preferem de bom grado esconder: a dependência e exploração de trabalhadores nas plantações e nas fábricas, bem como a destruição ambiental, em particular devido ao uso massivo de pesticidas.

O estudo oferece uma visão geral da indústria cítrica no Brasil, destacando o perfil económico das principais empresas em todos os sectores relevantes: rural (cultivo e colheita da laranja), industrial (processamento das laranjas para produção de sumo), bem como o marketing e venda do produto final (retalho europeu). Os resultados deste estudo são baseados num método qualitativo de investigação, envolvendo duas saídas de campo: a primeira em Junho/Julho de 2013 pela ONG alemã de políticas de desenvolvimento Christliche Initiative Romero e.V. (CIR) e a segunda em Julho de 2015 pela CIR e pela ONG austríaca de proteção ambiental GLOBAL 2000. A CIR encomendou também um estudo ao Instituto Observatório Social (IOS) do Brasil, em 2013. Além de recorrer a fontes primárias (entrevistas individuais a trabalhadores e representantes de sindicatos), foram também usadas diversas fontes secundárias, tais como material das empresas ou indústrias, material de associações sindicais, informação do Governo/Ministério Público do Trabalho brasileiro, imprensa especializada e universidades, entre outras.

 

Descarregue o resumo, em português, TUDO ESPREMIDO: Por detrás do negócio do sumo de laranja ou o relatório completo, em inglês.