A 27 de novembro de 2015, as atividades da campanha SUPPLY CHAiNGE culminaram num um Dia Europeu de Ação, celebrando o Ano Europeu de Desenvolvimento com ações em quase todos os Estados-Membros europeus:

Na Áustria, a Global2000 e a Südwind, desfilaram os "7 pecados mortais do consumo" na maior rua comercial de Viena, ou seja: "Cacau - Trabalho Infantil", "Laranjas - Exploração", "Carne - Antibióticos", "Óleo de Palma – Apropriação de terras","Atum - Escravidão”,"Desperdício alimentar" e "Toxinas ambientais". Seguindo a pé num desfile medonho, os ativistas ofereceram uma alternativa, através da distribuição de maçãs justas, regionais e biológicas na rua Mariahilferstraße.

Na Bélgica, a federação europeia de ONG ambientalistas European Environmental Bureau (EEB), encenou uma venda simbólica de sumo de laranja por apenas 1 cêntimo numa estação ferroviária de Bruxelas, sensibilizando para o trabalho escravo e uso de pesticidas cancerígenos, através de embalagens adaptadas. Um ângulo competitivo também foi introduzido: paralelamente, numa segunda cabine, sumo de maçã feito de 'sobras' locais foi vendido por 1 Euro o copo. Os consumidores foram forçados a tomar uma decisão real sobre o quanto apoiariam cadeias de abastecimento ético!

Na Bulgária, Agrolink realizou um jogo de rua sobre as condições de trabalho e o impacto ambiental da cadeia de fornecimento de cacau da União Europeia. Os participantes foram convidados a distribuir dinheiro para o preço médio de chocolate pelos vários elos da cadeia de fornecimento de cacau e a comparar sua percepção com os factos reais chocantes. A atividade foi realizada por ativistas vestidos como grãos de cacau e barras de chocolate, distribuindo folhetos. Pode ver impressões sobre as atividades neste video (em Bulgaro).

Na Croácia, a Zelena akcija organizou um festival de música, com bandas croatas jovens. Para a restauração fizeram uma parceria com o coletivo "Food Not Bombs” e forneceram refeições gratuitas a partir de legumes rejeitados, anteriormente recolhidos em mercados verdes de Zagreb. Foram também promovidos workshops sobre o TTIP e a Economia Solidária.

No Chipre, o Future World Center contribuiu para o Dia de Ação com um festival pop-up em Nicósia. A peça central desta atividade foi o lançamento da Exposição de Fotografia Food Vision, mostrando os contributos mais interessantes do Concurso fotográfico FoodVision.

Na República Checa, foi lançada a petição pelo sumo de laranja justo em conjunto com o videoclip de ação Supply Chainge, chegando a mais de 60 000 pessoas.

Na Dinamarca, a Aktive Forbrugere colocou caixas de sumo de laranja com um comprimento de 2 metros junto a uma grande loja LIDL em Copenhaga. Cada caixa de cartão tinha impressa a "verdadeira" lista de ingredientes, informando os consumidores do uso excessivo de pesticidas e das más condições de trabalho nas plantações e fábricas. A atividade foi acompanhada da distribuição de materiais da campanha.

Na Estónia, a Mondo baseou-se no “Buy Nothing Day” e deu enfoque ao consumo responsável através da publicação de vários artigos e outras atividades mediáticas. A Mondo promoveu também um seminário onde se discutiram os problemas associados ao consumismo e se abordou o consumo sustentável, com a presença de70 participantes.

Na Finlândia, Finnwatch pediu aos cidadãos que tirassem fotografias de lojas LIDL em todo o país, a fim de aumentar a sensibilização para as questões da (falta de) transparência nas empresas. As imagens geradas no âmbito desta campanha foram recolhidas e serão entregues ao LIDL através de uma petição com imagens a realizar em 2016. As fotos resultantes desta campanha serão recolhidas e entregues ao LIDL em 2016 numa petição em imagens.

Na Alemanha, a Christliche Initiative Romero e.V. (CIR) organizou atividades em diversas cidades alemãs: Em Berlim, uma sessão de fotos em frente ao Ministério da Economia e Tecnologia da Alemanha associou a campanha ao debate regional em curso sobre a concentração de mercado no sector do retalho (uma situação que ameaça agravar as condições laborais tanto na Alemanha como no Brasil). Em Munique, ativistas fizeram uma flashHOP em frente de uma loja local LIDL, com distribuição dos materiais de campanha para sensibilizar os consumidores durante o 'Buy Nothing Day'.

SUPPLY CHA!NGE in Hungary ©NSC
SUPPLY CHA!NGE in Hungary ©NSC

Na Grécia, a organizou uma performance na rua comercial mais popular de Atenas. A atividade culminou numa projeção pública do video clip de ação SUPPLY CHAINGE. Pode ver a atividade no Canal YouTube da Fair Trade Hellas.

Na irlanda, a Uplift lançou uma campanha digital que se concentrou no desperdício de frutas e legumes. As grandes cadeias de supermercados só vendem frutas e outros legumes com uma forma perfeita, gerando um enorme desperdício, incrementando o uso de pesticidas e contribuindo para desigualdades junto dos produtores ao longo da cadeia de fornecimento. Esta campanha pretende pressionar as cadeias Super-value, Tesco, Lidl e Aldi, no sentido de darem aos consumidores a possibilidade de escolha de frutas / legumes “feios”, além das frutas / vegetais “perfeitos”.

Na Hungria, Magyar Természetvédők Szövetsége distribuiu bolsas com selos pedindo aos transeuntes para refletirem nos seus padrões de consumo, por ocasião do “Buy Nothing Day”.

Na Letónia, foi organizada uma exibição pública do novo filme 'True Cost' pelo Zaļā brīvība. O filme aborda as condições de trabalho e do impacto ambiental das cadeias de fornecimento na indústria têxtil.

Na Lituania, o Environmental Centre for Administration and Technology (ECAT) lançou uma campanha de cartazes em todo o país.

Em Malta, Friends of the Earth Malta subverteram os padrões de consumo convencionais organizando um “surto de trabalho voluntário”: No dia 27 de novembro, todos os cidadãos foram convidados a dedicar algumas horas de seu tempo, através do voluntariado para a sua ONG favorita, em troca de bens selecionados, patrocinados por agências de comércio justo e outros.

Na Polónia o Dia Europeu de Ação foi comemorado com atividades em Cracóvia e Varsóvia: Ativistas da Kupuj Odpowiedzialnie vestidos como bananas irromperam através de uma parede de caixas de papelão, simbolizando o poder excessivo dos supermercados e o consumo excessivo.

Em Portugal, a Quercus emitiu um "Minuto Verde" na televisão nacional RTP1, apelando à assinatura da petição da campanha sobre sumo de laranja justo e sustentável nos supermercados e lançou também uma grande campanha publicitária no Facebook para as pessoas assinarem essa petição. A Quercus apresentou ainda a exposição de fotos Food Vision na FAG (Vila Real), uma feira de gastronomia que atrai anualmente cerca de 25.000 visitantes; aos visitantes da exposição foi pedido que assinassem a petição, sendo oferecido sumo de laranja sustentável.

na Roménia, os ativistas desfilaram pelas ruas de Bucareste com uma exposição muito especial: As contribuições mais inspiradoras do concurso fotográfico Food Vision foram apresentadas em sacos de compras para espalhar a palavra sobre a campanha nas ruas da cidade.

Na Eslováquia, Zivica distribuiu convites para uma noite de aulas de flamenco, solicitando uma maçã ou outra peça de fruta em vez de uma taxa de entrada. No espírito do 'Buy Nothing Day', a lição flamenco, portanto, não foi comprado, mas sim trocada pelos frutos. A comida foi então doada a uma ONG parceira que trabalha em Bratislava com os sem-abrigo.

Na Eslovénia, a Associação para o Desenvolvimento Sustentável FOCUS convocou uma manifestação nas ruas de Ljubljana com “anti-anúncios”, defendendo o consumo sustentável. No espírito do 'Buy Nothing Day', essas atividades culminaram num "Flash Mob de Costura", defendendo a reutilização e reciclagem. Na preparação da manifestação a Focus organizou um workshop sobre os problemas associados às cadeias de abastecimento.

Na Espanha, a RETS lançou uma campanha on-line em língua espanhola para aumentar a consciencialização sobre questões ligadas aos produtos de marca própria.

©PIPE STUDIO for SUPPLY CHA!NGE
©PIPE STUDIO for SUPPLY CHA!NGE

Na Suécia, Swedwatch publicou 'Preso na cozinha do mundo', um estudo baseado numa investigação feita pela SwedWatch e pelo parceiro do SUPPLY CHAINGE Finnwatch. O relatório investiga a situação dos trabalhadores migrantes na indústria tailandesa de frango, onde há freqüentemente abusos sobre os direitos humanos e laborais. A Tailândia é um dos principais fornecedores de produtos de aves para a UE. No ano de 2014, 270 000 toneladas de produtos de aves foram exportados da Tailândia para a UE.

No Reino Unido, a Think Global lançou uma campanha europeia no Twitter, espalhando a palavra sobre a petição on-line, pedindo às pessoas para usarem a hashtag #makeachange!