O papel das alianças internacionais de aquisição conjunta (procurement) na aquisição de produtos de marca própria

•    O que é o processo UTP (Práticas Injustas de Comércio) e porque é importante
•    Reação do EEB (federação europeia de ONG de ambiente) à avaliação das SCI (Supply Chain Initiative)
•    A reação do SUPPLY CHA!NGE à votação do Parlamento Europeu sobre Práticas Injustas de Comércio.

Formar cadeias é uma característica comum do comércio de bens de consumo corrente, havendo também uma tendência de forte centralização das operações de compras e logística. Em geral, é comum para os compradores na Europa ser-se um grupo mais centralizado do que os produtores e distribuidores. Os compradores a granel mais importantes na Europa são a AMS; CO-OP; UNITED NORDIC e EMD.

A expansão da aquisição conjunta (procurement) internacional, fator que aumenta o poder de comprador de retalhistas e distribuidores, e facilita práticas comerciais abusivas, veio enfraquecer ainda mais a posição dos produtores que já se encontravam vulneráveis, especialmente nos países em desenvolvimento.

A concorrência de preços entre produtos de marca e marcas próprias, bem como entre diferentes retalhistas, é muitas vezes realizada sem se ter em conta nem a vida dos trabalhadores nos países produtores, nem o meio ambiente.

Os exemplos mais devastadoras de práticas comerciais injustas envolvem:

•    Redução unilateral de preços por parte dos retalhistas, sem consulta aos fornecedores;
•    Alterações nos acordos comerciais com efeitos retroativos;
•   Despesas e custos de riscos deslocados para os produtores;
•    Acabar relações comerciais abruptamente e por razões injustas;
•    Alterações nas encomendas em prazos demasiado curtos;
•    Produtores ameaçados com a rescisão dos acordos comerciais se não cumprirem com inúmeras exigências dos retalhistas;
•    Cobrança de penalizações excessivas pelos retalhistas, se os produtores não conseguirem cumprir com a entrega de certas quantidades pré-definidas.

Os produtores raramente lutam contra essas práticas, pois operam sob a constante ameaça de perder seus principais contratantes, e, assim, os seus meios de subsistência. É muito difícil de lidar com as práticas comerciais injustas para qualquer produtor, mesmo de países do Hemisfério Norte. Nos países em desenvolvimento, onde a segurança social é frágil e possibilidades de emprego são escassas, os efeitos são ainda mais devastadores.